A mídia se tornou uma ferramenta de controle social – Olavo de Carvalho

“O nosso uso da fala e da escrita, no Brasil de hoje, está muito deslocado em relação à realidade da experiência. É como se fosse uma espécie de analfabetismo funcional. Por exemplo, eu leio a mídia brasileira — sou obrigado a ler essa porcaria — e eu dificilmente vejo ali alguma coisa que se refira à realidade. Tudo só se refere aos esquemas jornalísticos consolidados; são notícias esquematicamente idênticas, embora com conteúdos diferentes, publicadas e republicadas todos os dias. Com a experiência jornalística que eu tenho, eu sei que aquilo são como notícias pré-moldadas, é só você trocar os nomes e o endereço das pessoas e fica certinho.

Não são fatos, mas esquemas verbais repetidos, e isso faz um mal para a cabeça humana que você não imagina. Nos últimos 40 ou 50 anos a mídia foi mudando de função, não só no Brasil, mas também no resto do mundo: antes ela tinha uma função de integração social, de tornar os acontecimentos públicos para que as pessoas pudessem conversar, trocar ideias, tomar suas decisões etc. Ela já tinha a capacidade de ser um elemento de manipulação e era usada para isso, só que nos últimos 40 anos ela se tornou só um instrumento de manipulação. A mídia do mundo inteiro praticamente mudou de função. Hoje ela é um instrumento de controle social, e isso aconteceu através da concentração da propriedade da mídia. Aqui nos EUA há dois ou três grupos econômicos que compraram todos os jornais, de modo que todos os jornais falam a mesma coisa, do mesmo jeito, e a notícia que não sai em um também não sai no outro.

No Brasil é a mesma coisa. As empresas jornalísticas são poucas no Brasil, e então você junta três empresários de mídia e eles decidem tudo o que você pode saber e o que você não pode saber. Do ponto de vista da sanidade isso cria uma situação extremamente anormal, extremamente perigosa. Vocês não podem esquecer a definição de neurose do Dr. Müller: “neurose é uma mentira esquecida na qual você ainda acredita”. Você não sabe que aquilo que você lê é mentira, não sabe que tem uma parte faltando, não sabe que o negócio já está todo enviesado para você chegar a uma certa conclusão, e você acredita naquilo como se fosse fato. Poucas pessoas se lembram que aquilo foi escrito por alguém, e que esse alguém tinha um objetivo, e que esse objetivo não era informar você de maneira alguma. Esse objetivo era levar você a acreditar em certas coisas e a tomar determinadas atitudes.

(…) Eu tenho bastante prática de jornal, e vi como os jornais mudaram, sobretudo a partir dos anos 70 e 80. Foi uma coisa medonha o que aconteceu. Hoje, a preocupação de você distinguir o que é narrativa dos fatos, na parte noticiosa, e o que é opinião, nas páginas editoriais, praticamente se inverteu. Hoje em dia você não pode saber a opinião de um jornal pela sua página editorial, porque na página editorial ele vai pegar autores com várias ideias diferentes e botar todas lá, de maneira que a opinião do jornal se dilua. A verdadeira opinião do jornal está na seleção de notícias, na parte noticiosa. Você pensa que encontrou a opinião d’O Globo ou da Folha de São Paulo na página editorial, mas a opinião não está lá: ela está sendo vendida como fato. E às vezes, na parte editorial, o jornal é até capaz de dar a opinião contrária, para fingir que não está querendo manipular ninguém. É uma coisa medonha o que está acontecendo. A confiabilidade da grande mídia hoje é zero — nos EUA, no Brasil, na Europa, em toda parte. Não há mais exceção.

Mais do que nunca, nós precisamos de uma elite intelectual capacitada a informar-se, para ver se no futuro, daqui a 20 ou 30 anos, a gente exerce uma influência firme sobre a mídia e os faça parar com essa putaria, porque o que eles estão fazendo é uma vergonha. As informações mais básicas que você precisa para entender uma coisa são suprimidas em função da impressão que você quer passar.”


Olavo de Carvalho – Curso Online de Filosofia: Aula 2, 21/03/2009.

Esta publicação foi feita a partir da transcrição da aula, disponibilizada no site do curso: seminariodefilosofia.org. A transcrição não foi revista ou corrigida pelo Olavo de Carvalho.


Gostou da publicação? Clique aqui para ver todos os fragmentos do Curso Online de Filosofia.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: