Jamais tenha medo da pressão dos colegas – Olavo de Carvalho

“Este pessoal, sobretudo universitário, que olha você feio e diz: “Ah, se você não fizer do jeito que eu quero, eu não te aprovo”, o que você tem que responder pra eles? — “Você para de charlatanismo, senão eu te denuncio, te desmascaro aqui, te ponho no chão, desgraçado!” Você tem que seguir o conselho de Maquiavel: mais vale ser temido do que ser amado. Não tente agradar ninguém. Se você ver que o sujeito está com treta, com desonestidade, seja mais forte que ele e o intimide, faça-o temer você intelectualmente, mostre pra ele que você sabe mil vezes mais que ele e se ele te encher o saco, você vai desmoralizá-lo. Você vai ver que ele vai te dar dez até o fim do curso.

Vários alunos a quem eu dei este conselho e que o seguiram, deu certinho. Se você pensar: “Ah, eu não posso fazer isso, senão o professor vai me reprovar”, você está lascado. Muitas vezes me dizem “eu citei o seu nome e o professor me deu uma bronca”, eu fico mais bravo com esse cara do que com o professor, digo: “E você não o enfrentou? Não o humilhou?” É o que você tem que fazer! Porque se o professor tem medo de ver o meu nome citado lá é porque ele realmente é um fracote, é um coitado. E você vai ter medo de coitado, de fracote? Você está liquidado, meu filho!

Para eu ficar com medo, no mínimo, o sujeito precisa me encostar um revólver na cabeça. Mesmo aí, vou pensar duas vezes se fico com medo ou se faço algum malefício pro cara. Da última vez que um sujeito fez isso, eu só ficava pensando: “Você vai ver o que eu vou fazer com você depois”. (…) Veio me intimidar, fui lá, fiz o meu testemunho e o cara foi parar na cadeia, um cara importante. Se encostarem um revólver na sua cabeça, você tem o direito de ficar com medo. Abaixo disso não! E se ele ameaçar te bater, você nunca apanhou na vida? Eu, quando era moleque, brigava, às vezes batia, às vezes apanhava, isso é normal da vida! Meus filhos toda hora chegavam com o nariz sangrando, porque brigaram na rua. Às vezes batiam, às vezes apanhavam, isso é normal, ninguém pode ficar assustado com essas coisas.

Agora, hoje em dia as pessoas têm medo: “Ah, vão falar mal de mim”. Ora essa! Aristóteles dizia o seguinte: a palavra “cão” não morde. Falar mal de você não dói. Os caras falam mal de você, fale mais mal deles, é uma chance que ele está te dando de expelir o seu veneno! Eu gosto quando os caras falam mal de mim: “você fala mal de mim agora, você vai ver o que é bom pra tosse!” Eu tenho um pretexto pra fazer o mal, o sujeito me deu um pretexto pra fazer um malefício sobre ele, pô, que maravilha, tem que ficar grato! Não tenham medo destas coisas, não tenham medo de mau-olhado, não tenham medo de cara feia, vocês não são mais crianças! Enfrentem, sejam homens, não tenham medo de nada!”


Olavo de Carvalho – Curso Online de Filosofia: Aula 4, 18/04/2009.

Esta publicação foi feita a partir da transcrição da aula, disponibilizada no site do curso: seminariodefilosofia.org. A transcrição não foi revista ou corrigida pelo Olavo de Carvalho.


Gostou da publicação? Clique aqui para ver todos os fragmentos do Curso Online de Filosofia.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: