Por que mandamos um criminoso para a cadeia? – Olavo de Carvalho

“A ilusão de fazer justiça é outro desses idealismos que arrebata as pessoas para a suprema beatitude do conhecimento. Nós jamais fazemos justiça. A pretensão de fazer justiça é uma coisa tremendamente injusta. Por que mandamos um criminoso para a cadeia? Nós mandamos para puni-lo e fazer justiça? O que é que tem a ver uma coisa com outra? O sujeito matou uma pessoa e eu trancafio-o na cadeia durante certo tempo e acho que isso é fazer justiça. Como assim “fazer justiça”? Qual a equivalência que há? Mesmo se eu matar o criminoso não há equivalência, pois isso não trará o outro à vida. Só Deus faz justiça.

E se alguém disser: “Ah, eu não estou pondo o criminoso na cadeia para fazer justiça, mas para recuperá-lo.” Que legal! Ele vai viver entre outros criminosos, aprender mais técnicas do crime, sair puto da vida e cometer mais crimes. E você chama isso de educação! Ou seja, nós não podemos nem fazer justiça nem recuperar os criminosos. Nós pomos os criminosos na cadeia porque nós não os aguentamos. É só por isso. Não é por justiça nem por pedagogia, mas só por segurança. Então, por que a gente não confessa isso? Se tem um sujeito matando gente para caramba, nós não o aguentamos mais e morremos de medo dele, havendo um jeito de trancafiá-lo na cadeia e livrar-nos desse problema, por que não o faríamos?

(…) Quantas vezes não vi alunos meus, estudantes de direito, com este problema na cabeça: a cadeia é uma punição ou uma oportunidade de recuperação? Ela não é nem uma coisa nem outra. A cadeia é um quebra-galho para você continuar vivendo. Do mesmo modo a pena de morte, a cadeira elétrica etc., também são isso. Tem uns caras que você não aguenta nem mesmo na cadeia; até na cadeia você fica com medo deles. Então, liquide os desgraçados!

E como eu cheguei a essa conclusão? Investigando a mim mesmo. Meu pai era advogado e eu acompanhava alguns casos dele. Ele dizia uma coisa: que o juiz não precisa ser parcial em favor de uma das partes, mas ele é sempre parcial a favor de si mesmo. Nada mais justo, pois ele é um ser humano falível, fraco, e tem de cuidar de si em primeiro lugar. Quem não cuida nem de si como vai cuidar dos outros? Se ele manda um criminoso para a cadeia, a primeira pessoa que ele está defendendo é ele mesmo. E defendendo-se a si mesmo ele está, por tabela, defendendo as possíveis futuras vítimas.”


Olavo de Carvalho – Curso Online de Filosofia: Aula 9, 06/06/2009.

Esta publicação foi feita a partir da transcrição da aula, disponibilizada no site do curso: seminariodefilosofia.org. A transcrição não foi revista ou corrigida pelo Olavo de Carvalho.


Gostou da publicação? Clique aqui para ver todos os fragmentos do Curso Online de Filosofia.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: