A verdadeira meditação sobre a virtude não consiste em ouvir a explicação e segui-la, mas consiste em compreendê-la no próprio ato de executá-la – Olavo de Carvalho

“A verdadeira meditação sobre a virtude não consiste em ouvir a explicação e segui-la, mas consiste em compreendê-la no próprio ato de executá-la. Você terá de partir da virtude que você tem efetivamente. Você terá que fazer escolhas dentro de você mesmo, e não ouvir o que o outro disse e fazer o que ele recomendou. Claro que você pode desenvolver inúmeras qualidades por imitação, isto é sempre possível e eu recomendo que se faça isso. Mas você não pode imitar nada se você não tem em você mesmo a raiz daquilo. Então é esta que você tem que procurar. Não se trata de pegar uma receita fora e copiá-la, mas ao ouvir a receita você sabe a que aquilo corresponde em você. Você precisa buscar aquela tendência em você mesmo. Às vezes ela é muito menor e modesta em você do que aquilo que você está ouvindo, mas é o que você tem.

Outra coisa, se nós damos muitos conselhos de virtude para as pessoas elas não vão seguir nenhum. O sujeito fica esmagado sob uma sensação de impotência. Então você tem que pegar uma por uma, devagarzinho, mas não largar. Essa é minha sugestão. Por mais bonzinho que você seja, não há virtude maior do que o próprio amor a Deus. Não há. Qualquer perfeição humana é porcaria perto disso. Aquela abertura, aquele maravilhamento, é como um êxtase mesmo. Isso é que é importante. É mais importante do que as virtudes, porque é isto que vai te dar alguma força. Comparado com isso, suas virtudes e seus defeitos são nada. Isto é a coisa decisiva. Não estou falando no ponto de vista doutrinal, não estou passando aquele negócio de teologia moral. Estou falando apenas do ponto de vista prático-pedagógico. Teologicamente falando, todas as virtudes são obrigatórias e todos os pecados são condenáveis. Mas eu digo: e daí? Mesmo que você seja um santo, você não pode ser todos os santos.

Além disso, existe uma diferença entre o raciocínio filosófico sobre as virtudes e a meditação aprofundada. A meditação aprofundada é encontrar em você a raiz disso; não é simplesmente criar ideias. Eu comecei esta aula dizendo que existe uma diferença muito grande entre você compreender a ideia que você tem sobre alguma coisa e compreender a coisa. Então, o que é a virtude? A virtude é um impulso que você tem e que todos têm, ou seja, coisas boas que você quer fazer. Movido pelo amor a Deus, pelo amor ao próximo, pela piedade que certas coisas lhe inspiram. Por que você não se deixa fazer estas coisas? Por que tem algo que se opõe? É este “que se opõe” que tem de ser tirado. Agora, você não precisa compreender filosoficamente as virtudes ou, muito menos, teologicamente. Então, muito mais importante do que isto é saber onde elas estão em você.”


Olavo de Carvalho – Curso Online de Filosofia: Aula 19, 15/08/2009.

Esta publicação foi feita a partir da transcrição da aula, disponibilizada no site do curso: seminariodefilosofia.org. A transcrição não foi revista ou corrigida pelo Olavo de Carvalho.


Gostou da publicação? Clique aqui para ver todos os fragmentos do Curso Online de Filosofia.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: