O signo tem alguma relação intrínseca com a coisa significada? – Olavo de Carvalho

“O signo tem alguma relação intrínseca com a coisa significada? Platão já dizia que às vezes têm e às vezes não têm. Olha que coisa incrível. Se você partir da arbitrariedade do signo, você nunca vai explicar porque que em quase todas as línguas do mundo o som de m tem alguma coisa a ver com mamãe e o b, p e v tem alguma coisa a ver com o pai. É aparentemente uma coisa inexplicável. Então, por outro lado, têm certas palavras que foram inventadas, são convencionais e que não tem nada a ver uma coisa com outra. Não dá para saber se o signo é arbitrário ou não. Então o que fez Saussure? Determinou por pressuposto que todos os signos são arbitrários e começa a raciocinar a partir daí. Mas este pressuposto está errado. O pressuposto certo é que não sabemos.

Se você não sabe, para que vai fazer de conta que sabe? Só para criar uma estrutura toda e dar um monte de trabalho para muita gente e depois não chegar a absolutamente nada. Começa com Saussure e termina com esse negócio do desconstrucionismo. O desconstrucionismo diz o seguinte: nenhum texto se refere a nada fora dele: o texto é uma unidade fechada que só se refere a si mesmo ou então a outro texto. Se você já disse que o signo é arbitrário, é claro que todo texto tem que ser isto. Por que vocês levaram cem anos para chegar a esta conclusão que já estava dada na premissa? Porque vocês são muito burros. Agora, a premissa é falsa e a conclusão também é falsa. Então, com tudo isto se gasta dinheiro, se cria problema e só faz as pessoas sofrerem.

O fato é que a relação entre linguagem e realidade, ela em si mesma faz parte da realidade e se todos os signos estivessem absolutamente separados da realidade, nós jamais poderíamos conectá-los de maneira alguma. Inclusive tudo o que você escrevesse sobre os signos também estaria separado dos próprios signos. Porque os signos passam a ser tratados como objeto ou realidade. Se não há relação entre signo e realidade, o que eu escrevo sobre o signo também não tem relação com o signo. Precisa ser muito inteligente para perceber isto? Não. Bastam dois minutos.

(…) Os diálogos de O Crátilo são sobre isto aqui. E a conclusão dele é exatamente a que eu estou dizendo. Umas palavras são arbitrárias, mas para que existam as arbitrárias tem de existir outras que não são. Por exemplo, aqui no inglês é impressionante o número de palavras inglesas que são onomatopaicas. É impressionante! E se é onomatopaica, não pode ser arbitrária. Foi baseada numa imitação de uma coisa real.”


Olavo de Carvalho – Curso Online de Filosofia: Aula 19, 15/08/2009.

Esta publicação foi feita a partir da transcrição da aula, disponibilizada no site do curso: seminariodefilosofia.org. A transcrição não foi revista ou corrigida pelo Olavo de Carvalho.


Gostou da publicação? Clique aqui para ver todos os fragmentos do Curso Online de Filosofia.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: